+55 (51) 3228-1999
05/01/0216
Como garantir um futuro sem sustos após as mudanças nas regras da aposentadoria
15/01/2014
FenaPrevi tem Novo Diretor Estatutário
10/03/2014
A União inicia trajetória positiva no mercado de seguros
05/05/2014
União Seguradora e SINBRAF assinam contrato
02/04/2015
55ª edição do Festival Hípico Noturno da Brigada Militar tem apoio do Grupo Aspecir
13/04/2015
Joaquim Levy ressalta a importância do Seguro na vida das pessoas
12/05/2015
Setor de seguros cresce 22,4% no ano
14/05/2015
Previc: normas para investimentos em infraestrutura devem sair em agosto
20/05/2015
Entenda a diferença entre seguro de vida individual e coletivo
25/05/2015
Ciência Atuarial tem ganhado destaque em casos de previdência complementar
27/05/2015
Setor de seguros cresce com novos consumidores
29/05/2015
Juros chegam ao recorde de 56,1% ao ano em abril, informa o BC
29/05/2015
Contribuições para planos abertos de previdência sobem em março, diz FenaPrevi
15/06/2015
Poupar cedo garante faculdade dos filhos
07/07/2015
Índice de Confiança do Setor de Seguros fecha o semestre em queda
14/07/2015
Limite de empréstimo consignado sobe de 30% para 35%
17/07/2015
Aspecir Previdência comemora 78 anos
23/07/2015
5 opções de empréstimo que costumam ter juros mais baixos
28/07/2015
Avança projeto que torna obrigatória carteira do corretor
28/07/2015
Aumento da Selic é um mal necessário, diz economista
11/08/2015
Susep aprova projeto que torna carteira do Corretor obrigatória
12/08/2015
União assina contrato com o MTG
14/08/2015
Grupo Aspecir assina contrato com Prefeitura de Viamão
19/08/2015
Rede privada suspende empréstimos consignados
21/08/2015
Plenário aprova prazo máximo de 30 dias para seguradoras pagarem indenização
24/08/2015
Os próximos vinte anos
28/08/2015
Segmento dos Seguros de Pessoas registra crescimento De 10,51%
11/09/2015
Apesar da crise, vendas de seguros seguem disparando
11/09/2015
Câmara aprova aumento de impostos para seguradoras
11/09/2015
Retirada urgência de projeto que cria a Banrisul Corretora de Seguros
11/09/2015
Contratação de Seguro para Eventos pode ser obrigatória
15/09/2015
9 proteções de seguros pouco óbvias que você tem de conhecer
15/09/2015
Seguros sobre riscos digitais vão triplicar a US$7,5 bi até 2020, atraindo concorrentes, diz estudo
15/09/2015
Com os juros do cartão em alta, saiba como escolher o crédito mais adequado ao seu bolso
15/09/2015
Grupo Aspecir na Semana Farroupilha
21/09/2015
Com crise, financeiras inovam e emprestam dinheiro pela internet
05/10/2015
Tradição e raízes são lembradas no 13° Troféu JRS
06/10/2015
Aspecir Previdência firma convênio com a FUSEPERGS
14/10/2015
Para onde caminha o mercado de seguros
28/10/2015
Seguro é a saída para fundos de pensão enfrentarem risco de longevidade
28/10/2015
Como se preparar financeiramente para grandes eventos
12/11/2015
JULIO MACHADO REPRESENTANTE DO MERCADO GAÚCHO NA CHAPA ÚNICA DA FENAPREVI
24/11/2015
56ª Edição do Festival Hípico Noturno
24/11/2015
Mercado de seguro brasileiro vai resistir à recessão, diz Axa
24/11/2015
VGBL sustenta o faturamento do setor de seguros
16/12/2015
Seguro DPVAT está entre principais fontes de custeio do SUS
16/12/2015
CNSP Aprova Seis Resoluções Propostas Pela Susep
16/12/2015
Mercado Segurador devolve para a sociedade R$ 300 milhões por dia
18/12/2015
Setor de seguros deve desacelerar no Brasil em 2016, prevê CNseg
30/12/2015
Confiança do setor de seguros cai 20% em 2015
30/12/2015
Susep aprova acordo entre AXA e SulAmérica no segmento de grandes riscos
30/12/2015
Equilíbrio para grandes desafios
30/12/2015
Expectativa é de mudança de rumos em 2016, diz vice-presidente da Anbima
05/01/2016
10 novidades sobre o mercado que você precisa saber
05/01/2016
Crise encurta orçamento e faz contas de começo de ano ficarem pesadas
05/01/2016
Veja calendário para o pagamento do valor do IPVA dos veículos em 2016
05/01/2016
Clipping 0527
06/01/2016
Seis fatores para o sucesso da precificação de seguros
06/01/2016
Principais súmulas e decisões de 2015 estão em relatório do Sacha Calmon
06/01/2016
Juros do cartão de crédito chegam a 415,3%
08/01/2016
Grupo Aspecir participa de homenagem ao Batalhão de Suez
05/02/2016
O Grupo Aspecir deseja a todos muita alegria no Carnaval 2016.
10/02/2016
Na crise, cresce o desafio de planejar a aposentadoria
11/02/2016
Segurada da União recebe prêmio de capitalização
29/02/2016
Susep edita normas para seguradoras, resseguradoras e previdência complementar
02/03/2016
Setor de seguros reduz faturamento, mas deve crescer 9% Em 2016
02/03/2016
Lideranças do mercado de seguros debatem, em evento na Bahia, futuro do setor à luz dos cenários econômico e político do país
28/03/2016
Milton Machado recebe medalha Cidade de Porto Alegre
28/03/2016
Segurada da União recebe prêmio de capitalização
29/03/2016
Cerimônia de outorga da Medalha Cidade de Porto Alegre
07/04/2016
Aportes à previdência aberta sobem 24,3% em janeiro, diz FenaPrevi
07/04/2016
Investidores aplicam mais em previdência privada aberta
07/04/2016
Índice de Confiança do Setor de Seguros cresce 10,2% em março
13/04/2016
Susep muda norma para transferência de carteiras
28/04/2016
Confiança do setor de seguros sobe 12,8% em abril com cenário político
18/05/2016
Projeto de lei para alterar a relação entre clientes, seguradoras e corretores
18/05/2016
Previdência complementar requer atenção aos tributos
25/05/2016
Seguro de pessoas cresce 2,44% no 1º tri e totaliza R$ 7,13 bi, diz FenaPrevi
25/05/2016
Captação da previdência privada atinge R$ 21,5 bi no 1º tri, diz FenaPrevi
25/05/2016
Judicialização excessiva prejudica todo o mercado
25/05/2016
Nova diretoria da Susep vai fiscalizar corretores e autorreguladora
08/07/2016
Mercado de seguros de pessoas movimenta R$ 2,65 bilhões em maio
11/07/2016
COMO FUNCIONA O MICROCRÉDITO
13/07/2016
Indenizações pagas por seguros crescem 12%
13/07/2016
Aplicações em previdência privada aberta cresceram 12,64% em maio
13/07/2016
Aprovada MP que libera uso do 'FGTS' na garantia de empréstimo consignado
15/07/2016
ASPECIR comemora 79 anos
06/09/2016
Índice de Confiança do Setor de Seguros tem alta de 62,2% no ano
06/09/2016
Entenda o que são fundos de pensão
06/09/2016
Mercado de seguros de Pessoas movimenta R$ 15 bilhões no 1° semestre
06/09/2016
Cresce a procura por planos de previdência privada no Brasil
18/07/2017
Aspecir 80 anos
19/07/2017
Aspecir completa 80 anos de história
20/07/2017
Planos de previdência são opção para futuro estável
26/07/2017
Governo prepara PDV e tudo para você ler antes de a Bolsa abrir
26/07/2017
Governo prepara PDV e tudo para você ler antes de a Bolsa abrir
29/08/2017
O mercado está pronto para absorver seguros?
29/08/2017
Sincor-SP ressalta importância dos seguros de vida e previdência para população e o mercado
29/08/2017
Pansera: Corretor, chegou a hora do recadastramento
29/08/2017
Brasília: um mercado de oportunidades para o ramo de seguros
29/08/2017
Seguro de pessoas cresce 10,9% até junho e movimenta R$ 16,68 bilhões
04/09/2017
Troca de previdência privada ganha força com reforma na aposentadoria

Como se preparar financeiramente para grandes eventos


28/10/2015
São Paulo - Um dos grandes problemas do planejamento financeiro é que poucas pessoas se preparam para mudanças repentinas em sua vida, mesmo quando são previsíveis.
Além dos impactos psicológicos, há os financeiros e fiscais, que podem complicar ainda mais as situações de estresse.

Um exemplo dessas mudanças de vida é o casamento, que pode ter consequências no futuro se não for bem planejado, afirma Adriana Chieco, do escritório Chieco da Costa Advogados, especialista em sucessões.
“As pessoas deveriam se preocupar com as consequências patrimoniais do casamento ou da união estável antes, e não depois, quando dá errado, no divórcio ou na separação”, afirma, lembrando que tanto o casamento quanto a união estável são contratos com consequências sobre os bens dos envolvidos.

Outras mudanças drásticas na vida que podem ser planejadas são mudanças de país, a questão da herança e a administração dos bens em caso de incapacidade.

“Se eu sofrer um acidente ou um derrame e ficar impossibilitado de tomar decisões, será que minha mulher ou meu marido são as pessoas ideias para cuidar da minha empresa, por exemplo?”, questiona Adriana, que participou do Congresso de Planejamento Financeiro do IBCPF.

Casamento

Na questão do casamento, a advogada lembra que o primeiro ponto é que, pela lei brasileira, quem casa ou vive uma união estável automaticamente se enquadra no regime de comunhão parcial de bens.
“Se não houver um contrato deixando claro outro regime, terá de dividir com o parceiro o que ganhar”, diz.

Outro ponto que cria confusão são os bens que os cônjuges tinham antes de casar, que são considerados particulares, e os que forem adquiridos depois do casamento Adriana lembra que, mesmo com essa separação, há problemas quando os bens são valores em dinheiro.

“E, no meio da separação, pode haver um pedido de bloqueio dos bens até que seja feita a divisão que pode durar um bom tempo”, alerta. A saída para evitar esse tipo de problema é que o casamento seja feito com separação de bens.

Mudança de país

Outro evento que tem se tornado mais comum é quando a família resolve mudar de país. “Tem muita gente procurando morar fora, mas nem sempre se preocupa com os impactos que isso tem em termos patrimoniais e até do regime do casamento”, afirma Adriana.

Ela diz que há países que não reconhecem o regime brasileiro de união, sem contar os impactos fiscais e na sucessão.

Herdeiros “inesperados”

No caso da morte, o imprevisível fica por conta dos herdeiros inesperados que podem surgir e complicar a divisão dos bens.
Além da discussão sobre a comprovação da condição de herdeiro, que pode levar bastante tempo, há a questão de como o novo beneficiário participará da divisão de bens como empresas ou como ele poderá ser compensado por esse direito.

Além disso, há a morosidade dos processos, impostos e custos, também inesperados, que criam dificuldades para a família no curto prazo.

Paraíso fiscal das heranças

Com relação à tributação nas sucessões, Adriana diz que o Brasil tem impostos relativamente baixos.

“Podemos dizer que o Brasil é quase um paraíso fiscal em termos de sucessão”, afirma, lembrando que há um imposto estadual, o Imposto sobre Transferência de Bens Intervivos (ITBI), de 4%. Em outros países, a tributação é muito maior, chegando a 40% nos Estados Unidos.

“A diferença é que lá há um limite de isenção bem alto no ‘state tax’, de até US$ 5 milhões”, afirma a advogada. No Brasil, está em discussão aumentar esse percentual para 20%.

Fundos fechados e holdings

A alternativa para reduzir os impactos do imposto nas heranças é a criação de fundos fechados, que funcionam como empresas, e nos quais os herdeiros serão cotistas.

Os fundos têm regras de resgate para evitar que os herdeiros gastem todo o dinheiro de uma vez. “Para fazer uma reserva de usufruto, tem de ser um fundo fechado”, explica Adriana.

Já nos casos de empresas, a estrutura mais recomendável são as holdings, que substituem as pessoas físicas no controle das empresas por pessoas jurídicas.

“Há a opção também de usar os fundos de investimentos em participações (FIP), mas aí a estrutura fica mais cara”, afirma.

Incapacidade

Uma outra surpresa desagradável que as pessoas deveriam antever é o caso de incapacidade. Com as pessoas vivendo mais, é comum o empresário ou pai de família perder a capacidade decisória e ficar anos nessa condição.
Ou casos de pessoas que sofrem acidentes vasculares cerebrais (AVC) e de uma hora para outra têm de se afastar dos negócios, o que cria uma situação delicada para a família e para os sócios.
Para esses casos, Adriana diz que existe a declaração de curatela, que determina quem vai cuidar da pessoa e dos negócios.

“Pela lei, seria o cônjuge, mas nem sempre essa solução é a melhor, por exemplo, no caso em que há sociedade em empresas com outras pessoas”, explica Adriana.
Com a declaração, pode-se indicar outro profissional para representar a família nos negócios ou para cuidar das finanças e tomar decisões.

Dinheiro para necessidades imediatas

Outras alternativas usadas no planejamento da sucessão são o seguro de vida e os fundos de previdência privada, os PGBL e VGBL, pela liquidez imediata dos recursos.

“Isso acalma o desespero da família se a pessoa é mantenedora e serve para atender às necessidades imediatas de pagamentos de custas dos processos e até dos impostos sobre a herança, para que a família não tenha de vender um bem para pagar os tributos, por exemplo”, diz.

Segundo a advogada, alguns Estados têm decidido cobrar o imposto ITBI também sobre PGBL e VGBL. “Mas mesmo com o imposto de sucessão, ainda compensa pela liquidez imediata e pelo imposto de renda mais baixo se a aplicação no fundo for de longo prazo”, diz, lembrando que os PGBL e VGBL podem ter alíquota de 10% sobre os rendimentos após 10 anos.

Continuar ou não vivendo?

A longevidade criou também outra necessidade, o testamento vital, que determina se a pessoa quer prolongamento artificialmente a vida em caso de incapacidade permanente.

“Nele, o titular pode dizer se deseja ou não passar por vários procedimentos se a situação for irreversível”, explica Adriana, que deixa claro que não se trata de eutanásia, o que é proibido no Brasil.
“A pessoa apenas impede que sejam tomados cuidados paliativos que só vão prolongar a situação e seu sofrimento”, diz.

Essa questão, lembra a advogada, tem impacto patrimonial e financeiro importantes para a família. “E pode-se também incluir no documento a doação de órgãos”, acrescenta.

Testamento, o que pode

Sobre o testamento, Adriana diz que ele só faz sentido se houver alguma situação especial que não permita a divisão igual dos bens. “Isso já é previsto em lei”, lembra.

Já se a pessoa quiser privilegiar algum herdeiro, poderá fazê-lo com metade dos bens. A outra metade, chamada de legítima, segundo a lei, tem de ser dividida de maneira igual entre os herdeiros.

Na metade livre, a pessoa pode destinar para o que quiser, desde um herdeiro específico ou outra pessoa ou ainda instituições de caridade. “São coisas que a pessoa pode definir antes, que fazem parte do bom planejamento”, diz.

Fonte: Arena do Pavini por Angelo Paviniz.

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar Centro Histórico de Porto Alegre/RS CEP.: 90020-140

+55 (51) 3228-1999