+55 (51) 3228-1999
05/01/0216
Como garantir um futuro sem sustos após as mudanças nas regras da aposentadoria
15/01/2014
FenaPrevi tem Novo Diretor Estatutário
10/03/2014
A União inicia trajetória positiva no mercado de seguros
05/05/2014
União Seguradora e SINBRAF assinam contrato
02/04/2015
55ª edição do Festival Hípico Noturno da Brigada Militar tem apoio do Grupo Aspecir
13/04/2015
Joaquim Levy ressalta a importância do Seguro na vida das pessoas
12/05/2015
Setor de seguros cresce 22,4% no ano
14/05/2015
Previc: normas para investimentos em infraestrutura devem sair em agosto
20/05/2015
Entenda a diferença entre seguro de vida individual e coletivo
25/05/2015
Ciência Atuarial tem ganhado destaque em casos de previdência complementar
27/05/2015
Setor de seguros cresce com novos consumidores
29/05/2015
Juros chegam ao recorde de 56,1% ao ano em abril, informa o BC
29/05/2015
Contribuições para planos abertos de previdência sobem em março, diz FenaPrevi
15/06/2015
Poupar cedo garante faculdade dos filhos
07/07/2015
Índice de Confiança do Setor de Seguros fecha o semestre em queda
14/07/2015
Limite de empréstimo consignado sobe de 30% para 35%
17/07/2015
Aspecir Previdência comemora 78 anos
23/07/2015
5 opções de empréstimo que costumam ter juros mais baixos
28/07/2015
Avança projeto que torna obrigatória carteira do corretor
28/07/2015
Aumento da Selic é um mal necessário, diz economista
11/08/2015
Susep aprova projeto que torna carteira do Corretor obrigatória
12/08/2015
União assina contrato com o MTG
14/08/2015
Grupo Aspecir assina contrato com Prefeitura de Viamão
19/08/2015
Rede privada suspende empréstimos consignados
21/08/2015
Plenário aprova prazo máximo de 30 dias para seguradoras pagarem indenização
24/08/2015
Os próximos vinte anos
28/08/2015
Segmento dos Seguros de Pessoas registra crescimento De 10,51%
11/09/2015
Apesar da crise, vendas de seguros seguem disparando
11/09/2015
Câmara aprova aumento de impostos para seguradoras
11/09/2015
Retirada urgência de projeto que cria a Banrisul Corretora de Seguros
11/09/2015
Contratação de Seguro para Eventos pode ser obrigatória
15/09/2015
9 proteções de seguros pouco óbvias que você tem de conhecer
15/09/2015
Seguros sobre riscos digitais vão triplicar a US$7,5 bi até 2020, atraindo concorrentes, diz estudo
15/09/2015
Com os juros do cartão em alta, saiba como escolher o crédito mais adequado ao seu bolso
15/09/2015
Grupo Aspecir na Semana Farroupilha
21/09/2015
Com crise, financeiras inovam e emprestam dinheiro pela internet
05/10/2015
Tradição e raízes são lembradas no 13° Troféu JRS
06/10/2015
Aspecir Previdência firma convênio com a FUSEPERGS
14/10/2015
Para onde caminha o mercado de seguros
28/10/2015
Seguro é a saída para fundos de pensão enfrentarem risco de longevidade
28/10/2015
Como se preparar financeiramente para grandes eventos
12/11/2015
JULIO MACHADO REPRESENTANTE DO MERCADO GAÚCHO NA CHAPA ÚNICA DA FENAPREVI
24/11/2015
56ª Edição do Festival Hípico Noturno
24/11/2015
Mercado de seguro brasileiro vai resistir à recessão, diz Axa
24/11/2015
VGBL sustenta o faturamento do setor de seguros
16/12/2015
Seguro DPVAT está entre principais fontes de custeio do SUS
16/12/2015
CNSP Aprova Seis Resoluções Propostas Pela Susep
16/12/2015
Mercado Segurador devolve para a sociedade R$ 300 milhões por dia
18/12/2015
Setor de seguros deve desacelerar no Brasil em 2016, prevê CNseg
30/12/2015
Confiança do setor de seguros cai 20% em 2015
30/12/2015
Susep aprova acordo entre AXA e SulAmérica no segmento de grandes riscos
30/12/2015
Equilíbrio para grandes desafios
30/12/2015
Expectativa é de mudança de rumos em 2016, diz vice-presidente da Anbima
05/01/2016
10 novidades sobre o mercado que você precisa saber
05/01/2016
Crise encurta orçamento e faz contas de começo de ano ficarem pesadas
05/01/2016
Veja calendário para o pagamento do valor do IPVA dos veículos em 2016
05/01/2016
Clipping 0527
06/01/2016
Seis fatores para o sucesso da precificação de seguros
06/01/2016
Principais súmulas e decisões de 2015 estão em relatório do Sacha Calmon
06/01/2016
Juros do cartão de crédito chegam a 415,3%
08/01/2016
Grupo Aspecir participa de homenagem ao Batalhão de Suez
05/02/2016
O Grupo Aspecir deseja a todos muita alegria no Carnaval 2016.
10/02/2016
Na crise, cresce o desafio de planejar a aposentadoria
11/02/2016
Segurada da União recebe prêmio de capitalização
29/02/2016
Susep edita normas para seguradoras, resseguradoras e previdência complementar
02/03/2016
Setor de seguros reduz faturamento, mas deve crescer 9% Em 2016
02/03/2016
Lideranças do mercado de seguros debatem, em evento na Bahia, futuro do setor à luz dos cenários econômico e político do país
28/03/2016
Milton Machado recebe medalha Cidade de Porto Alegre
28/03/2016
Segurada da União recebe prêmio de capitalização
29/03/2016
Cerimônia de outorga da Medalha Cidade de Porto Alegre
07/04/2016
Aportes à previdência aberta sobem 24,3% em janeiro, diz FenaPrevi
07/04/2016
Investidores aplicam mais em previdência privada aberta
07/04/2016
Índice de Confiança do Setor de Seguros cresce 10,2% em março
13/04/2016
Susep muda norma para transferência de carteiras
28/04/2016
Confiança do setor de seguros sobe 12,8% em abril com cenário político
18/05/2016
Projeto de lei para alterar a relação entre clientes, seguradoras e corretores
18/05/2016
Previdência complementar requer atenção aos tributos
25/05/2016
Seguro de pessoas cresce 2,44% no 1º tri e totaliza R$ 7,13 bi, diz FenaPrevi
25/05/2016
Captação da previdência privada atinge R$ 21,5 bi no 1º tri, diz FenaPrevi
25/05/2016
Judicialização excessiva prejudica todo o mercado
25/05/2016
Nova diretoria da Susep vai fiscalizar corretores e autorreguladora
08/07/2016
Mercado de seguros de pessoas movimenta R$ 2,65 bilhões em maio
11/07/2016
COMO FUNCIONA O MICROCRÉDITO
13/07/2016
Indenizações pagas por seguros crescem 12%
13/07/2016
Aplicações em previdência privada aberta cresceram 12,64% em maio
13/07/2016
Aprovada MP que libera uso do 'FGTS' na garantia de empréstimo consignado
15/07/2016
ASPECIR comemora 79 anos
06/09/2016
Índice de Confiança do Setor de Seguros tem alta de 62,2% no ano
06/09/2016
Entenda o que são fundos de pensão
06/09/2016
Mercado de seguros de Pessoas movimenta R$ 15 bilhões no 1° semestre
06/09/2016
Cresce a procura por planos de previdência privada no Brasil
18/07/2017
Aspecir 80 anos
19/07/2017
Aspecir completa 80 anos de história
20/07/2017
Planos de previdência são opção para futuro estável
26/07/2017
Governo prepara PDV e tudo para você ler antes de a Bolsa abrir
26/07/2017
Governo prepara PDV e tudo para você ler antes de a Bolsa abrir
29/08/2017
O mercado está pronto para absorver seguros?
29/08/2017
Sincor-SP ressalta importância dos seguros de vida e previdência para população e o mercado
29/08/2017
Pansera: Corretor, chegou a hora do recadastramento
29/08/2017
Brasília: um mercado de oportunidades para o ramo de seguros
29/08/2017
Seguro de pessoas cresce 10,9% até junho e movimenta R$ 16,68 bilhões
04/09/2017
Troca de previdência privada ganha força com reforma na aposentadoria
11/09/2017
Produção de seguros sobe 0,6% até junho em termos homólogos - ASF
19/09/2017
José Cairoli, governador do RS em exercício, prestigia ação do Grupo Aspecir, no Acampamento Farroupilha
21/09/2017
Setor de seguros supera R$ 1 tri e pode trazer novo ciclo, afirma presidente da CNseg
22/09/2017
Susep vai regulamentar seguro funeral
22/09/2017
Especialista em educação financeira dá dicas para quem deseja se aposentar
22/09/2017
Governo quer clareza de informações na era digital
22/09/2017
Regulação é o principal desafio para o avanço do mercado de seguros
22/09/2017
Blockchain: ameaça ou oportunidade no mercado de seguros?
02/10/2017
Destaques do Mercado de Seguros de Vida e Previdência
19/10/2017
Dia Mundial de Combate ao Câncer de Mama
30/10/2017
Eventos marcam os 500 anos da Reforma Luterana em Porto Alegre e Santa Rosa
30/10/2017
Troféu JRS - 15 anos
08/11/2017
Planeje o seu futuro
10/11/2017
Urbim, uma vida dedicada ao Mercado Segurador
30/11/2017
Grupo Aspecir apoia o Festival Hípico Noturno
22/12/2017
Gaspar Luiz Machado, 60 anos dedicados ao Mercado Segurador

Lideranças do mercado de seguros debatem, em evento na Bahia, futuro do setor à luz dos cenários econômico e político do país


02/03/2016
O 21º Encontro de Líderes do Mercado Segurador reuniu executivos, especialistas e autoridades, com o propósito de refletir sobre perspectivas, desafios e oportunidades para os mercados de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização

Os desafios trazidos pelos avanços tecnológicos, a necessidade de inovação em produtos e serviços adequados às necessidades atuais dos consumidores, o surgimento das novas epidemias e os avanços nas questões regulatórias diante do atual cenário social, político e econômico do país estiveram entre os principais temas debatidos durante o 21º. Encontro de Líderes do Mercado Segurador, realizado na Praia do Forte, na Bahia, nos últimos dias 25, 26 e 27 de fevereiro. Para o presidente da Confederação Nacional de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), Marcio Coriolano, o objetivo do evento foi propor, não somente reflexões, mas também ações efetivas voltadas para a manutenção do desenvolvimento sustentado do setor nas próximas décadas.

No primeiro dia de evento, durante o painel “O horizonte do Brasil no Século XXI”, a jornalista Miriam Leitão enfatizou que, diante de tanta imprevisibilidade nas rápidas mudanças do século 21, o momento é adequado para falarmos do futuro. Para ela, esta é a hora de pensar no futuro. “Quanto mais rápido soubermos para onde vamos, mais rápido chegaremos lá. Pensar no futuro nos faz avaliar riscos e isso reduz as chances de fracasso e aumenta as chances de permanecer no sucesso”, afirmou. Segundo ela, o Brasil está prisioneiro do imediato. O presente virou um redemoinho que suga e o impede de crescer, avaliou. Entre as mudanças do século 21, Miriam destaca o perfil demográfico, o clima, que traz muitas catástrofes, e a tecnologia. “São temas que todos devem pensar, principalmente vocês que fazem parte do mercado segurador”, sugeriu. A palestrante destacou que toda e qualquer crise terá uma saída democrática, em razão de tudo que já foi construído. O Brasil acertou muito ao longo das décadas, sempre construindo consensos. Uma luta de duas décadas, com a conquista da democracia em 1985, a estabilização do real em 1994 e, em 2004, com a inclusão social.”, diz. “Democracia, estabilidade e inclusão. Foi isso que escolhemos e construímos. Agora, estamos em busca do quarto consenso, mesmo no meio desta confusão que nos machuca e dói, mas que é parte da reconstrução”, comentou.

Já o painel “Inovação – Uma Perspectiva para o Mercado” abordou as influências das transformações tecnológicas no cotidiano do mercado segurador, sobretudo em relação à maneira como as empresas se relacionam com o consumidor. A vice-presidente do instituto americano de pesquisa Gartner, Belkis Toledo, afirmou que, para continuarem relevantes, as seguradoras precisam “quebrar os modelos tradicionais de negócio”, contando com líderes que enxerguem a necessidade de mudança e estejam preparados e dispostos a isso. Mesmo porque, se não o fizerem, outros o farão, como se evidencia ao observar os US$ 2,1 bilhões já investidos em startups de tecnologia da área de seguros. Também integrante do painel, o advogado e jornalista, Ronaldo Lemos, lembrou que quando a internet surgiu, servia para conectar computadores. Posteriormente, passou a conectar pessoas, como nas redes sociais. Agora, entramos na era da internet das coisas, ou seja, da conexão de todo e qualquer objeto utilizado pelo homem. O mercado de seguros, a seu ver, precisa levar em consideração esse mudança de cenário para saber aproveitar bem as oportunidades trazidas pelas novas tecnologias.

A última palestra do dia, proferida pelo presidente da Sensedia, Kleber Bacilli, e mediada por Alexandre Leal, superintendente Executivo Técnico da CNseg, tratou sobre “Ecossistemas Digitais” e os impactos que as novas tecnologias têm nas empresas de todos os ramos, mesmo as maiores e mais ricas. No mundo das instituições financeiras, por exemplo, observou Kleber, o que se vê é que estão sendo desafiados por pequenas startups desconhecidas que se tornam gigantes com o desenvolvimento de aplicativo que faça parte da “jornada digital da sociedade”. Para se manterem relevantes, as empresas precisam ser mais ágeis e possuir um sistema de governança mais simplificado para lidar com projetos inovadores. “É preciso ser diferenciado e fazer a oferta no local certo, na hora certa e de forma totalmente personalizada”, concluiu Bacilli.

No segundo dia de palestras, o painel “Pensando o futuro do seguro” apresentou as perspectivas para o setor diante dos desafios que se impõem nos cenários de defesa do consumidor, regulatório e da crescente judicialização dos conflitos entre empresas e segurados. A secretária da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), Juliana Pereira, afirmou que é preciso trazer para a pauta a questão da resolução dos conflitos e a interação com outros agentes públicos, no caso, os órgãos reguladores. Ela destacou que a Senacon vem desenvolvendo diálogo permanente com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), o que não ocorria tempos atrás. “Se partirmos do pressuposto de que o órgão tem que dar respostas muito rápidas e precisas para os consumidores, nós conseguimos projetar o futuro da seguinte maneira: estabelecendo a formação de consensos e a resolução de problemas. Temos que sair da superfície das questões. Consenso e oportunidade. Há uma oportunidade. O momento é de se despir dos preconceitos e buscar a melhor alternativa para a sociedade, encontrando um equilíbrio entre as duas partes”, enfatizou.

O diretor-presidente da ANS, José Carlos Abrahão, que também compôs o painel, enfatizou que o principal objetivo do órgão regulador é aumentar o acesso dos beneficiários ao sistema, proporcionando uma atenção de qualidade, segura, com atendimento humanizado e sempre primando pela sustentabilidade, sobretudo a assistencial. “Isso tudo com regulação e com princípios de governança e transparência, que tragam segurança jurídica para a sociedade como um todo. Temos regulação já determinada, direitos do consumidor que foram adquiridos e devem ser respeitados. Mas também temos que nos preparar para o diálogo. O diálogo é fundamental e temos que buscar a construção de um sistema que nos traga melhores de condições de atendimento, sempre atento ã questão tecnologia e da relação médico-paciente.”

Durante o mesmo painel, o superintendente da Susep, Roberto Westenberger, ressaltou que, no curto prazo, o objetivo da autoridade do mercado segurador é a garantia da sua estabilidade de gestão. No cenário de médio prazo, disse ele, a prioridade é a criação de uma diretoria de conduta de mercado dentro da autarquia e, a longo prazo, prevê a existência do que ele chamou de “duas avenidas”: uma é a da Tecnologia da Informação (TI) como elemento auxiliar da atuação regulatória, conjugando demandas vindas de órgãos de defesa do consumidor e dos tribunais, por exemplo. A outra é, por meio da prática do Big Data, ter uma eficácia maior do controle regulatório.
Ainda no painel “Pensando o futuro do seguro”, o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Ricardo Villas Bôas Cueva, destacou que a grande promessa, com impacto direto no seguro, é o novo Código de Processo Civil. “O Código traz um novo paradigma, que é o chamado ‘tribunal multiportas’. A ideia é que, com ele, se tragam questões efetivas e não meramente formais, privilegiando a mediação e a conciliação entre as partes, que passarão a ser obrigatórias. A conciliação passará a ser aplicada nas relações de consumo simples. A mediação, para as situações mais complexas. A promessa é de que se caminhe para desjudicialização, não somente em questão às relações com o mercado de seguros, mas com outros mercados também”, explicou.

Marcio Coriolano, também integrante do painel, afirmou que o setor de seguros sente os efeitos da crise de forma retardada. O ciclo econômico se abate sobre as atividades que o seguro protege e as ondas vão se produzindo ao longo do tempo. “O país vem enfrentando uma crise recessiva há mais de dois anos, mas, em 2015, os efeitos passaram a ser sentidos pelo mercado. Na saúde suplementar, 2015 foi o primeiro ano em que se observou um decréscimo no número de beneficiários, pois, como grande parte das empresas busca cobertura para seus empregados, com o aumento do desemprego, houve uma redução do numero de beneficiários.”

Para Coriolano, o setor é resiliente, não só porque responde tardiamente aos ciclos, mas devido à preferência das pessoas pela proteção. E é exatamente este o momento de maior fragilidade do cidadão, quando se vê com incertezas, com insegurança, fora, ainda, a redução de renda. “Eu já fui regulador e sei que o setor sempre foi palco de conflitos. Primeiro, porque não existia esse ‘empoderamento’ do consumidor como há hoje. Segundo, porque seguro é mesmo algo complexo”, afirmou Coriolano. Com o crescimento da renda no Brasil, como nunca visto anteriormente, o consumidor passou a ter mais condições de exercer sua cidadania. Agora, como lembrou o presidente da CNseg, tudo está “virando de cabeça para baixo novamente”, por força do enfraquecimento dos três pilares da economia: produto, renda e emprego. “E é exatamente nesse momento em que o consumidor mais precisa de proteção. E proteger o consumidor é proteger quem fornece o serviço”.

Marcio defende que precisamos ter uma regulação para momentos de crise, que proporcione melhores condições para quem provêm os serviços. “Não é uma crítica, mas uma constatação: a regulação é muito baseada em estrutura. Quando se regula o detalhe do detalhe, isso é o que trava”, concluiu.

Após o painel que pensou o futuro, o presente urgente foi tratado no painel sobre epidemias, particularmente sobre a epidemia do Zika vírus, que alarma todo o mundo, contando com a participação do subsecretário da subsecretaria de Vigilância em Saúde do Estado do Rio de Janeiro, Alexandre Chieppe, do médico e comentarista da GloboNews, Luiz Fernando Correia. Mediadora do debate, a presidente da Federação de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Solange Beatriz Palheiro Mendes, norteou as discussões ao questionar os palestrantes sobre pontos importantes acerca do tema como a existência de kits de testes suficientes para suprir a demanda do país, o preparo dos laboratórios e se já estão claras as indicações para o exame do Zika vírus.

“E o cenário não é nada animador”, segundo Chieppe, que afirmou vivermos uma emergência de saúde pública de interesse internacional, com possibilidade de pandemia. E entre os elementos agravantes estão a concentração de pessoas em áreas urbanas e até o aquecimento global, que amplia a área da presença do mosquito.

Outro grande aliado da doença, com capacidade de gerar grandes impactos, não só de saúde, mas também financeiros, é a desinformação. Como exemplo, Luiz Fernando Correia citou o caso dos testes de Zika, que são muito caros e nem sempre alcançam os resultados desejados. Entretanto, entre outros fatores, devido à pressão popular, as operadoras de planos de saúde deverão passar a ser obrigadas a oferecer o exame, enquanto esse recurso poderia ser melhor aplicado de outra forma. Complementando a fala de Luiz Fernando, o subsecretário disse que “vivemos uma epidemia de testes e dengue, mas nem todos sabem, por exemplo, que o exame só pode dar positivo após o 7º dia de infecção e, eventualmente, necessita ser feito diversas vezes no mesmo paciente”.

O último painel do 21º Encontro de Lideres teve a participação do cientista político Fernando Schuler, do economista Gustavo Franco, do presidente da FenaPrevi, Edson Franco, do jornalista Dony de Nuccio e do ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, debatendo o atual cenário político e econômico, considerado por todos como, no mínimo, desafiador, e, no curto prazo, o quadro negativo da economia tende a seguir em razão da ausência de instrumentos na área fiscal que gerem mudanças céleres. Por outro lado, o pessimismo deve se agravar pelos próximos meses, principalmente pela alta do desemprego. “Esse movimento de desemprego está apenas começando”, alertou Loyola. Já no médio e longo prazo, a crise colocou em evidência as limitações estruturais sérias do país, como a baixa produtividade, os gargalos na infraestrutura e o custo de previdência.
Já, para o cientista político do Insper, Fernando Schuler, o quadro político é ainda pior que o econômico, pois não há consenso de uma única agenda para o país. “Uma das saídas é renovar a geração de líderes. Atrair novos talentos. E para isso é preciso uma reforma política”, enfatizou.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Roberto Barroso, concorda, citando que nas turmas acadêmicas onde leciona, nunca vê um aluno talentoso dizendo que pretende seguir carreira política. “Estamos vivendo um momento difícil. Temos crises política, econômica e de ética relevantes. Esse conjunto leva a uma sensação devastadora de que não vamos sair do lugar”, disse o ministro. Para ele, entretanto, que acredita que a cultura de tolerância com a corrupção está acabando, o desalento não terá sido em vão se estivermos construindo um país melhor. “Na minha vida adoto dois princípios. Enquanto não vier a bonança, faço o melhor que posso dentro do que me cabe, cumprindo o meu papel e sendo bom e correto, mesmo quando ninguém estiver olhando”, finalizou.

Sobre a CNseg
A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) elevou, em 2008, ao status de confederação a Fenaseg (Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização. A CNseg conta em sua formação com a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), e a Federação Nacional de Capitalização (FenaCap). A entidade representa o mercado perante o Governo Federal, a sociedade em geral e as entidades nacionais e internacionais.

Fonte:  CNseg

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar Centro Histórico de Porto Alegre/RS CEP.: 90020-140

+55 (51) 3228-1999