+55 (51) 3228-1999
19/10/2018
Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19/10/2018
A Palavra de Ordem é Inovação
19/10/2018
Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
19/10/2018
Qual a próxima onda?
19/10/2018
Empresários da indústria estão mais confiantes, diz CNI
19/10/2018
Dólar cai com força de moedas emergentes e sinais de estímulo chinês após PIB
22/10/2018
Troféu JRS 2018
24/10/2018
Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24/10/2018
Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24/10/2018
Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24/10/2018
Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
24/10/2018
Crescimento de estudantes brasileiros no exterior resulta em inovações nos serviços de seguro viagem
24/10/2018
Seguro e previdência às MPEs só devem ganhar força depois de 2019
24/10/2018
Com atenção à eleição, dólar alterna pequenas altas e baixas
26/10/2018
Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26/10/2018
?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26/10/2018
Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26/10/2018
Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
26/10/2018
Corretor: segmento de seguros possui novas regras
26/10/2018
Seguros fazem a economia girar
26/10/2018
Governo Central registra déficit primário de R$ 23 bilhões em setembro
31/10/2018
Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31/10/2018
Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31/10/2018
Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31/10/2018
Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
31/10/2018
Além do seguro DPVAT obrigatório, quase metade da frota brasileira possui seguro auto
31/10/2018
Confederação de seguradoras entrega 22 propostas para Bolsonaro
31/10/2018
Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
05/11/2018
TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
05/11/2018
Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
05/11/2018
Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
05/11/2018
Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
05/11/2018
Confiança das seguradoras cresceu 26% em outubro
05/11/2018
Líder simplifica pedido do Seguro DPVAT com novo formulário unificado
05/11/2018
Inteligência artificial já é realidade no mercado de seguros
04/12/2018
Um Futuro seguro precisa de planejamento
04/12/2018
Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
04/12/2018
Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto
04/12/2018
Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório
04/12/2018
A vez da previdência privada com a reforma no novo governo
04/12/2018
Fintechs e mudanças nos serviços financeiros
04/12/2018
Mercado aposta que investidores vão passar a aplicar mais na aposentadoria
14/12/2018
União Seguradora fecha o ano com novos negócios
14/12/2018
Uma parceria de sucesso
14/12/2018
Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade
14/12/2018
CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor
14/12/2018
Brasilprev vê previdência privada em 2019 mais robusta e acredita em reforma
14/12/2018
Vale a pena investir em PGBL no fim do ano para ter desconto no IR?
14/12/2018
Brasilprev avalia que unificação da Susep e Previc é razoável
28/12/2018
Feliz 2019
04/01/2019
#RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018
04/01/2019
Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018
04/01/2019
Conjuntura CNseg
04/01/2019
O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!
04/01/2019
Empréstimos, cartões e até previdência privada: lojas invadem mercado financeiro
04/01/2019
Seguro DPVAT fica até 79% mais barato, mas não existe desconto para pagamento antecipado
04/01/2019
Presidente da República promulga lei que reforça exigências na venda de seguros
07/01/2019
Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro
07/01/2019
CNSP regulamenta mercado de anuidades
07/01/2019
Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro
07/01/2019
Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019
07/01/2019
Susep vai mudar normas para combate aos crimes de “lavagem”
07/01/2019
Dólar segue fraco com petróleo forte, negociação comercial e Powell no radar
07/01/2019
Bolsas asiáticas sobem após rali em Nova Iorque e antes de conversas entre EUA e China
09/01/2019
Planejamento para as despesas de início de ano
09/01/2019
Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?
09/01/2019
Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo
09/01/2019
A forma simples e eficaz de fidelizar segurados
09/01/2019
Renda Fixa ou Fundos de Previdência? Conheça as principais diferenças
09/01/2019
Novas propostas de reforma chegam a dobrar economia na Previdência
09/01/2019
Bolsa supera 93 mil pontos pela primeira vez na história
11/01/2019
Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria
11/01/2019
Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria
11/01/2019
Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas
11/01/2019
Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar
11/01/2019
Maior oferta de produtos corporativos faz setor de seguros sair...
11/01/2019
JLT lança a 4ª Edição de Relatório sobre Mercado de Seguros e Resseguros no Brasil
11/01/2019
8 dicas muito úteis de planejamento financeiro para 2019
14/01/2019
O abandono da ideia de fundir Susep e Previc
14/01/2019
Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019
14/01/2019
Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet
14/01/2019
Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução
14/01/2019
Aposentadoria dos militares: como ela é diferente da previdência do restante da população?
14/01/2019
Novos investidores do Tesouro Direto triplicam com taxa zero de bancos
14/01/2019
Dólar sobe com cautela sobre desaceleração da China e com previdência no radar
18/01/2019
Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
18/01/2019
Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?
18/01/2019
Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?
18/01/2019
IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...
18/01/2019
Saque integral do FGTS em caso de pedir demissão em 2019 pode ser liberado para trabalhador
18/01/2019
Com exterior positivo, Bolsa ganha fôlego extra e chega aos 96 mil pontos
18/01/2019
Dólar tem alta pontual, mas volta a cair com exterior no radar e realização
21/01/2019
Planejamento pra garantir o futuro
21/01/2019
Capitalização
21/01/2019
Você está preparado para a reforma da Previdência?
21/01/2019
'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista
21/01/2019
Regime de capitalização da aposentadoria no INSS na Reforma da Previdência Social em 2019
21/01/2019
Empréstimo rápido pela internet: é seguro?
21/01/2019
Fundamentação da tributação dos seguros e das operações bancárias na proposta de código do IVA
23/01/2019
Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde
23/01/2019
Susep preparada para novo Brasil
23/01/2019
Conheça algumas razões para contratar um seguro de vida
23/01/2019
Produção de seguro direto cresceu 11,7% para mais de 12,9 mil milhões no ano passado
23/01/2019
Novos riscos e novos seguros
23/01/2019
Processo de pagamento do prêmio do Seguro DPVAT é destaque na imprensa brasileira
01/02/2019
Funpresp: qual a melhor decisão?
01/02/2019
Imposto de Renda 2019: O leão está chegando!
01/02/2019
O custo da herança: seguro de vida auxilia herdeiros a pagarem despesas para ter acesso ao dinheiro
01/02/2019
Corretor de Seguros deve ficar atento em algumas situações para não ser punido
01/02/2019
Repetitivos e outros casos de destaque na pauta do primeiro semestre de 2019
01/02/2019
Dólar tem maior queda para o mês de janeiro desde 2012
01/02/2019
Estudo aponta para potencial de seguros em mercados emergentes
04/02/2019
Mercado livre de energia busca crescimento
04/02/2019
Começa a contagem regressiva para declarar Imposto de Renda
04/02/2019
Reforma da Previdência: por que 4 países da América Latina revisam modelo de capitalização, prometido por Guedes ...
04/02/2019
Mercado reduz expectativa de alta do IPCA para 2019
04/02/2019
Bolsas da Europa fecham sem sinal único, em dia de foco em empresas
04/02/2019
'Rio Grande do Sul é o maior desafio do Brasil', afirma secretária de Planejamento
04/02/2019
Porto Seguro lucra 34% mais e atinge R$ 1,3 bilhão em 2018
06/02/2019
Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?
06/02/2019
Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas
06/02/2019
Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver
06/02/2019
Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos
06/02/2019
Os seguros diante dos desastres socioambientais
06/02/2019
Quatro maneiras de aumentar o seguro de assistência a idosos com Internet das Coisas e Inteligência Artificial
06/02/2019
'Não é o mercado que vai resolver a desigualdade social', diz governador do ES
08/02/2019
As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019
08/02/2019
Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma
08/02/2019
Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões
08/02/2019
Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas
08/02/2019
Alerta para o Corretor de seguros, segmento oferece grandes oportunidades em 2019
08/02/2019
Contribuição Sindical e sua importância
08/02/2019
Tribunal de Contas identifica "deficiências" na privatização das seguradoras da Caixa

STJ confirma ilicitude em atuação de associação no mercado de seguros


20/08/2018
Por unanimidade, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) restabeleceu sentença de primeiro grau que declarou ilícita a atuação no mercado de seguros da Associação Mineira de Proteção e Assistência Automotiva (Ampla), determinando a suspensão de suas atividades ligadas ao setor securitário. O recurso especial foi interposto em ação civil pública na qual a Superintendência de Seguros Privados (Susep) pediu que fosse considerada ilícita a atuação da Ampla no mercado de seguros. A Susep, instituída pelo Decreto-Lei 73/66, é autarquia federal responsável pela regulação estatal do mercado privado de seguros. Segundo os autos, a Susep alegou que, mesmo exercendo atividade empresarial securitária, a Ampla não adotou a forma de sociedade anônima e não solicitou autorização de funcionamento.
Além disso, a atuação da Ampla não se enquadraria no conceito de grupo restrito de ajuda mútua e, portanto, não atenderia ao enunciado 185 da III Jornada de Direito Civil do Conselho da Justiça Federal, segundo o qual “a disciplina dos seguros do Código Civil e as normas da previdência privada que impõem a contratação exclusivamente por meio de entidades legalmente autorizadas não impedem a formação de grupos restritos de ajuda mútua, caracterizados pela autogestão”.

A autarquia também argumentou que a Ampla não seria uma associação de classe, de beneficência ou de socorro mútuo que institui pensão ou pecúlio em favor de seus associados ou famílias. Portanto, seu funcionamento afrontaria o disposto no Decreto-Lei 2.063/40 e o artigo 757 do Código Civil, caracterizando a concorrência desleal e a negociação ilegal de seguros por associação sem fins lucrativos.

Divisão de prejuízos
A Ampla, por sua vez, alegou que sua natureza jurídica tem como objetivo dividir os prejuízos entre as pessoas que se encontram na mesma situação. Afirmou que sua sistemática é diferente da adotada pelas companhias seguradoras, na qual o contrato obriga o segurador a garantir o interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou a coisa, contra determinados riscos. No caso da Ampla, não haveria garantia de risco coberto, mas o rateio de prejuízos efetivamente caracterizados. O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) julgou improcedente o pedido inicial da Susep, que recorreu ao STJ.

Contrato típico
Em seu voto, Og Fernandes afirmou que o produto oferecido pela Ampla se apresenta como um típico contrato de seguros, com cobrança de franquia e cobertura de danos provocados por terceiros e por eventos da natureza. “A noção sobre o contrato de seguro ‘pressupõe a de risco, isto é, o fato de estar o indivíduo exposto à eventualidade de um dano à sua pessoa, ou ao seu patrimônio, motivado pelo acaso’, nos termos como o define Orlando Gomes, invocando a doutrina italiana de Messineo”, explicou Og Fernandes.

Para o relator, a associação também não pode ser caracterizada como grupo restrito de ajuda mútua por comercializar seu produto de forma abrangente, como uma típica sociedade de seguros. “Pela própria descrição contida no aresto combatido, verifica-se que a recorrida não pode se qualificar como ‘grupo restrito de ajuda mútua’, dadas as características de típico contrato de seguro, além de que o serviço intitulado de ‘proteção automotiva’ é aberto a um grupo indiscriminado e indistinto de interessados”, concluiu o ministro.

RECURSO ESPECIAL Nº 1.616.359 - RJ (2016/0194359-4)
RELATOR : MINISTRO OG FERNANDES
RECORRENTE : CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS DE
SEGUROS GERAIS , PREVIDÊNCIA PRIVADA E VIDA, SAÚDE
SUPLEMENTAR E CAPITALIZAÇÃO - CNSEG
ADVOGADOS : ANA PAULA GONÇALVES PEREIRA DE BARCELLOS -RJ095436
KARIN BASILIO KHALILI DANNEMANN
FELIPE MENDONÇA TERRA E OUTRO(S) - RJ179757
RECORRENTE : SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS
RECORRIDO : ASSOCIACAO MINEIRA DE PROTECAO E ASSISTENCIA
AUTOMOTIVA
RECORRIDO : GABRIELA PEREIRA DAS NEVES
RECORRIDO : LUCIANA PEREIRA DA COSTA
RECORRIDO : EDUARDO PEREIRA DA COSTA
ADVOGADO : RENATO DE ASSIS PINHEIRO - MG108900

EMENTA

CIVIL E ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL. PODER FISCALIZATÓRIO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP. PEDIDO DE INTERVENÇÃO DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS DE SEGUROS GERAIS, PREVIDÊNCIA PRIVADA E VIDA, SAÚDE SUPLEMENTAR E CAPITALIZAÇÃO - CNSEG, COMO TERCEIRO PREJUDICADO. INDEFERIMENTO. PRELIMINAR DE NÃO CONHECIMENTO DO RECURSO INTERPOSTO PELA SUSEP. ALEGAÇÃO DE AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO E DE AUSÊNCIA DE FUNDAMENTO SOBRE
A PARTE DO RECURSO QUE SUSCITA A VIOLAÇÃO DO
DISPOSITIVO DO ART. 535, II, DO CPC/1973. REJEIÇÃO. ALEGAÇÃO
DA RECORRENTE - SUSEP DE OFENSA AO DISPOSITIVO DO ART.

535, II, DO CPC/1973. NÃO OCORRÊNCIA. ATIVIDADES DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA AUTOMOTIVA. CARACTERIZAÇÃO COMO PRÁTICA SECURITÁRIA. ARESTO RECORRIDO QUE CONCLUIU PELA OCORRÊNCIA DE UM "GRUPO RESTRITO DE AJUDA MÚTUA". ENUNCIADO N. 185 DA III JORNADA DE DIREITO CIVIL DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL. INAPLICABILIDADE. VIOLAÇÃO DOS DISPOSITIVOS DOS ARTS. 757 DO CÓDIGO CIVIL/2002 E DOS ARTS. 24, 78 e 113 DO DECRETO-LEI N. 73/1966. RECURSO ESPECIAL INTERPOSTO PELA
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS DE SEGUROS GERAIS, PREVIDÊNCIA PRIVADA E VIDA, SAÚDE SUPLEMENTAR E CAPITALIZAÇÃO - CNSEG PREJUDICADO. RECURSO ESPECIAL
INTERPOSTO PELA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP CONHECIDO E PROVIDO.

1. O objeto desta lide não comporta alegação de "concorrência desleal", visto que o pleito originário foi interposto pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e, por óbvio, tal questão não integra a perspectiva regulatória que compreende os objetivos institucionais dessa autarquia federal na fiscalização do mercado privado de seguros. De outra parte, no que concerne à perspectiva econômica - sobre eventuais prejuízos que as associadas da recorrente poderão sofrer -, tal se revela irrelevante para efeito de integração a esta lide como terceiro prejudicado. 

2. Não se encontra dentre as finalidades estatutárias da Associação recorrente - e nem poderia - qualquer atuação na fiscalização regulatória do mercado de seguros privados, já que isso é atividade privativa da União, que a exerce através da autarquia federal, Superintendência de Seguros Privados - SUSEP. Eventual consequência da atuação dessa autarquia federal, em relação às associadas da recorrente, ocorre no campo meramente do interesse econômico, não do interesse jurídico em si.

3. A jurisprudência deste Superior Tribunal de Justiça é clara ao afirmar que o interesse jurídico a ser demonstrado, para efeito de intervenção na ação com fundamento no § 1º do art. 499 do CPC/1973, deve guardar relação de "interesse tido por análogo ao do assistente que atua em primeiro grau ao auxiliar a parte principal na demanda". Precedentes: REsp 1.356.151/SP, Rel. Ministro Luis Felipe Salomão, Quarta Turma,
julgado em 21/9/2017, DJe 23/10/2017; REsp 1.121.709/PR, Rel. Ministro João Otávio de Noronha, Terceira Turma, julgado em 5/11/2013, DJe 11/11/2013.

4. Assim, se no caso em exame a relação jurídica submetida à apreciação judicial concerne ao exercício do poder regulatório cometido ao órgão público sobre o mercado privado de seguros, descabe falar em interesse jurídico de uma associação privada, por mais relevante que o seja, por ausente comunhão de interesses nesse sentido.

5. No que diz respeito à ausência de prequestionamento dos dispositivos dos arts. 24, 78 e 113 do Decreto-Lei n. 73/1966 e do art. 757 do Código Civil/2002, não tem qualquer razão a recorrida, uma vez que a eg. Corte de origem debateu a matéria sob o enfoque de tais dispositivos legais.

6. O argumento da parte recorrida de que a pretensão da insurgente, quando alega violação do dispositivo do art. 535, II, do CPC/1973, é meramente suscitar irresignação que se reporta ao mérito em si será examinado no momento adequado, porque diz respeito ao mérito dessa parte da postulação recursal da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP.

7. Com a rejeição da preliminar suscitada pela recorrida quanto ao prequestionamento dos dispositivos arts. 24, 78 e 113 do Decreto-Lei n. 73/1966 e do art. 757 do Código Civil/2002, por via oblíqua, rejeita-se a alegação da recorrente de nulidade do aresto impugnado. É que, ao considerar que as questões jurídicas que se reportam a tais dispositivos legais foram examinadas pelo eg. Tribunal de origem, descabe a
alegação da recorrente de que houve omissão, nesse particular. O fato de a decisão ser contrária aos interesses da parte - ou mesmo de estar equivocada, ou não, o que será analisado a seguir - não autoriza afirmar a ocorrência de omissão e a consequente afronta ao art. 535, II, do CPC/1973.

8. Assim, não viola o art. 535 do CPC/1973 nem importa omissão o acórdão que adota, para a resolução da causa, fundamentação suficiente, porém diversa da pretendida pela recorrente.

9. O Enunciado n. 185 da III Jornada de Direito Civil do Conselho da Justiça Federal, no que concerne à interpretação atribuída ao art. 757 do Código Civil/2002, assenta que "a disciplina dos seguros do Código Civil e as normas da previdência privada que impõem a contratação exclusivamente por meio de entidades legalmente autorizadas não impedem a formação de grupos restritos de ajuda mútua, caracterizados pela autogestão".

10. A questão desta demanda é que, pela própria descrição contida no aresto impugnado, verifica-se que a recorrida não pode se qualificar como "grupo restrito de ajuda mútua", dadas as características de típico contrato de seguro, além de que o serviço intitulado de "proteção automotiva" é aberto a um grupo indiscriminado e indistinto de interessados, o que resulta em violação do dispositivo do art. 757 do Código Civil/2002, bem como dos arts. 24, 78 e 113 do Decreto-Lei n. 73/1966.

11. Aliás, tanto se trata de atividade que não encontra amparo na legislação atualmente vigente que a própria parte recorrida fez acostar aos autos diversos informes a título de projetos de lei que estariam tramitando
no Poder Legislativo, a fim de alterar o art. 53 do Código Civil/2002, para permitir a atividade questionada neste feito. Ora, tratasse de ponto consolidado na legislação pátria, não haveria necessidade de qualquer alteração legislativa, a demonstrar que o produto veiculado e oferecido pela recorrida, por se constituir em atividade securitária, não possui amparo na liberdade associativa em geral e depende da intervenção reguladora a ser exercida pela recorrente.

12. Não se está afirmando que a requerida não possa se constituir em "grupo restrito de ajuda mútua", mas tal somente pode ocorrer se a parte se constituir em conformidade com o disposto no Decreto-Lei n.
2.063/1940 e legislação correlata, obedecidas às restrições que constam de tal diploma legal e nos termos estritos do Enunciado n. 185 da III Jornada de Direito Civil do Conselho da Justiça Federal.

13. Recurso especial interposto pela Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização - CNSEG prejudicado. Recurso especial interposto pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP conhecido e provido.

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos aos autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, dar provimento ao recurso da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP; julgar prejudicado o recurso da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização - CNSEG, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Mauro Campbell Marques, Assusete Magalhães e Herman Benjamin (Presidente) votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Francisco Falcão. Dra. Karin Basilio Khalili Dannemann, pela parte recorrente: Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização – CNSEG Dr. Andre Gustavo Bezerra e Mota (ex lege), pela parte recorrente: Superintendência de Seguros Privados Dr. Raul Canal, pela parte recorrida: Associação Mineira de Proteção e Assistência Automotiva e outros
Pronunciamento oral da Subprocuradora-geral da República, Dra. Darcy Santana Vitobello. Brasília, 21 de junho de 2018(data do julgamento) Ministro Og Fernandes Relator.

Fonte: STJ - Superior Tribunal de Justiça

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar Centro Histórico de Porto Alegre/RS CEP.: 90020-140

+55 (51) 3228-1999